09:36

Desabafo

Publicada por Jonas Matos |

Sabes, descobri que eu sou tão tu e tu vives só para o teu eu.
Não consigo entender aquelas afirmações que fazes sem pensares no que sinto, no que penso, no que eu hipoteticamente sou para ti.
E se um dia eu te disser que já não vou estar aqui?
Talvez seja do silêncio pavoroso dos meus olhos que nunca me quiseste dar uma resposta simples.
Nem tudo na vida tem um porquê, talvez tenhamos sempre que viver com um mas.
Eu preferia um sim ou um não, sem construções ou justificações.
E se um dia voltarmos a ser aquele que sempre fomos?
Tenho saudades das tardes de verão numa falésia a ver o por do sol por cima do mar. É uma das coisas que fazíamos que eram tão genuinamente nossas.
Hoje não passamos despercebidos um ao outro, sabemos que nos afectamos, mas casmurros continuamos nesta apatia que me entristece cada vez que estou contigo.
Volta, eu perdoou, se já perdoei coisas piores, porque não a ti.
Perdoa-me também.

6 comentários:

Ricardo M disse...

Está tão profundo, jonas. Gostei bastante. Gostei da maneira simples que consegues expor algo tão complicado. Mas acima de tudo gosto do final. Adorei.

JF disse...

Muitos parabéns pela maneira como escreves. simples e natural...

Anónimo disse...

Quero ser tua namorada para um dia me escreveres assim também.

João Fco. Viégas disse...

Depois disso tu ainda pensa que não sabe escrever sobre amor?
Eu não diria isso!

Ricc disse...

Está arrebatador o texto, gostei mesmo.

abraço

sar.a .si disse...

Desconhecia o teu dom pela escrita!

Gostei muito Jonas!
Se gostares de Poesia, http://sara-si.deviantart.com/

Beijinhos :D