22:42

A sós na multidão

Publicada por Jonas Matos |

Por vezes não sabemos o que dizer.
E se não dissermos nada.
Talvez fique o sabor amargo das palavras não ditas e dos sentimentos transparecidos do mar de inverno.

Já o disse várias vezes, há pessoas que me fazem companhia, mas não me tiram a solidão. A culpa não é delas, não é esse espaço que devem preencher em mim, ocupam já um, que me é especial.

É como se estivesse a sós na multidão.

5 comentários:

Fábio Paulos disse...

Por vezes não dizemos tudo o queremos, ou dizemos demais.
Arrependemos nos do que dizemos e do que não dizemos.
Por vezes fica esse sabor amargo, que e' preciso mudar, clarificar os sentimentos.

Cada pessoa tem um lugar único e especial em nós, mas há sempre espaço para mais pessoas, por isso sentimos sempre aquele vazio, que por mais que conheçamos pessoas novas nunca e' preenchido.

Não estamos sós na multidão, apenas perdidos entre ela, um dia encontramos nos...

abraços :)

João disse...

É das piores sensações, estar rodeado de pessoas e mesmo assim, sentir um vazio de solidão.
Quando passei por isso tentei encontrar algum conforto nesse silêncio interior, de forma a conseguir perceber o porquê de me sentir assim. Primeiro estranha-se, depois entranha-se e depois fartamo-nos e resolvemos que o melhor a fazer é mesmo seguir em frente!

Carla disse...

Nem sempre o que procuramos com intensidade nos cai aos pés, só porque assim o desejamos. As coisas acontecem quando têm de acontecer e até lá só temos de aproveitar a companhia de quem nos rodeia mesmo quando não preenchem "aquele" requisito que nos provoca a solidão.

E porque a solidão não quer apenas dizer que estamos sós, mas que nos falta alguma coisa no meio do muito que temos, só depende de nós não não "menosprezar" quem nos rodeia por isso, porque aí sim, corremos o risco de ficarmos mesmo sozinhos.

Beijinho bom*

Indian summer disse...

Oh meu querido, como te compreendo **

Anónimo disse...

São as palavras não ditas,
os gestos não tomados,
os sentimentos reprimidos,
os olhares desviados que nos lançam no vazio da solidão....
É o vazio da solidão que me lança na mais bela procura do "eu", o eu que nunca estaria completo sem a tua passagem.
É a tua passagem que hoje me faz recordar o quão é bom o silêncio...as palavras não ditas, os sons guardados no eu que nunca foi teu.